Nesta página Uberbau_house apresentamos um resumo de informações sobre residências passadas, que acolheram mais de 130 artistas, e permite conhecer o trabalho realizado na residência, oferecendo um recurso valioso para os interessados ​​em arte e investigação contemporânea. realizados nesta área.

Nestes anos acolhemos atividades de trabalho e residências coletivas e colaborativas, como o Diploma em Arte Aplicada à Sociedade, Sistemática e Sedutora, e o Espaço de Fala, abordando temas como arte e processos sociais, bienais de arte contemporânea, género, sexualidade , raça e classe.

As Apresentações Finais de Pesquisa feitas pelos participantes desde 2016 estão disponíveis na seção, e o Mapa de Participantes nas residências de 2016 a 2023 fornece uma visão geral da diversidade e do escopo das colaborações em Uberbau_house.

Esta página Uberbau_house oferece um olhar sobre atividades e residências anteriores, que abordaram temas relevantes da arte contemporânea, como arte e processos sociais, bienais de arte contemporânea, gênero, sexualidade, raça e classe.

ACESSO RÁPIDO AO CONTEÚDO

Instagram | facebook | tiktok | Linkedin
grupo de conversa no Whatsapp | grupo de conversa no telegram.

Quer participar das Residências Uberbau_house?

Selecione o tipo de residência, período de duração e datas disponíveis seguindo estes links.

Mapa de participantes nas Residências Uberbau_house. 2016 – 2023
Janeiro 2024 

 | Abrir em uma janela nova |

Diagrama dos participantes organizados por tema de pesquisa. 2016 – 2023
/ Janeiro 2024 /

 | Abrir em uma janela nova |

Apresentações finais 2023

Apresentações finais 2022

 

Apresentações finais 2016 – 2022

Quem já participou das residências Uberbau_house?

Mais de 130 trabalhadores da arte já participaram da residência de pesquisa em arte contemporânea.

A Uberbau_house já acolheu as seguintes atividades e residências de trabalho coletivo:

  • Curso de Formação Arte Aplicada a Sociedade (2020 y 2021) – arte e processos sociais
  • Sistemática y Seductora (2018) – bienais de arte contemporânea
  • Espacio de Fala (2019, 2020 y 2022) – gênero, sexualidade, raça e classe.
  • Habeas Data (2016, 2017, 2018 y 2019) – arquivos e pesquisa de dados
  • Acción / Transacción (2018 y 2019) – mercado e economía de arte
  • The Real Fake (2017) – arte e processos sociais

Residentes Uberbau_house 2024 / Pesquisa

  • Residentes Uberbau_house 2024 / Produção

Residentes Uberbau_house 2023

  • Camila Lucero (Concepción, Chile / Basel, Suiça) – narrativas nas imagems
  • Gabriela Hijar (Chihuahua, México) – ceramica e som
  • Henrique Fagundez (Canoas, Brasil) – imagems e inteligência artificial
  • Jimena Granados (Cidade de México, México) – procedimentos de contenção do espaço
  • Kiana de Tramontana (Lima, Perú) – como fazer uma residência de arte
  • Adalí Torres (Lima, Perú) – representação da masculinidade trans na música reggeton
  • Felipe Ortiz (Santiago de Chile, Chile) – muralismo e políticas públicas
  • José Castillejo (Barranquilla, Colômbia) – conflitos de violência na américa latina
  • Mayte Miranda (Mexicali, México) – subjetividade nas redes sociais
  • Natalia Documet (Lima, Perú) – senso comum sobre neodivergência na cultura pop
  • Pierre Dalpé (Montreal, Canada) – representação da subjetividade e ás mascaras na fotografia
  • Renato Almeida (São Paulo, Brasil) – a visualidade e discursividade da colononização em America Latina
  • Mitzi Reyna (Cidade de Mexico) – análise das estratégias de performance e da deriva no espaço público
  • Ana del Águila (Tijuana, México) – ordens visuais e saques de artefatos arqueológicos
  • Parker Brookie (Estados Unidos) – subjetividades marginais, mulheres e pessoas lgtbqiapn+ nas ditaduras em America Latina
  • Dayana Lamb (Bucaramanga, Colômbia) – arte, ecología e comunidade no territorio do rio
  • Graciela Álvarez Maroccolo (Buenos Aires, Argentina) – estratégias de carreira nas artes, na cultura e no trabalho sexual
  • Mafer Ortiz Ballarta (Lima, Perú) – relação entre música e arte contemporânea
  • Cristina Carrasco (Cuenca, Ecuador) – institucionalidade e políticas de patrimônio para arte contemporânea
  • Manuel Vázquez Ortega (Merida, Venezuela) – história da arte venezuelana nos últimos anos
  • Adriana Cesar (Montevideo Uruguay) – genealogia familiar de uma perspectiva faminista
  • Billy Klotsa (Grecia / Londres, Inglaterra) – documentário sobre identidades não binárias em ambientes urbanos
  • Carlos Guzmán (Cachipay, Colombia) – arte, economia sustentável e ecologia
  • José Antonio Torres (Lima, Perú) – relação entre música e pintura
  • Stefany Jaramillo (Bogotá, Colombia)
  • Yunuen Díaz (Morelos, México) – registros de colonização na gastronomia popular
  • Fernando Colman (Asunción, Paraguay) – história da cena local em Assunção, Paraguai
  • Jorge Augusto Gamarra (La Paz, Bolivia) – análise da masculinidade em relação à arquitetura e aos gráficos
  • Lucina L. Pedrozo(Ciudad de México, México) – história da videoarte latino-americana
  • Marcos Jinguba (Luanda, Angola) – relações dentro do sistema artístico e redes entre a África e a América Latina
  • Mayra Huerta (Guadalajara, México) – arte, cultura e processos sociais
  • Manuel Vázquez Ortega (Merida, Venezuela)
  • Ximena Pita (Rafaela, Argentina) – estudo comparativo da estrutura institucional das bienais na América Latina
  • Yinna Higuera (Quito, Ecuador) –
  • Tania Guadalupe Martínez Trujillo (Ciudad de México, México) – modelos pedagógicos inclusivos desde dinâmicas da arte
  • Fabiana Puentes (Montevideo, Uruguay) – a relação entre eventos políticos e processos artísticos na América Latina
  • Gabriel Xillovich (Bahía Blanca, Argentina) – etarismo e práticas sexuais na comunidade queer
  • Lucia Scarselleta (La Pampa, Argentina / Londres, Inglaterra) – bolsa R.A.R.O. – história do trançado gaúcho
  • Mónica Martínez (Rosario, Argentina) – metodologia para a produção de teatro de objetos
  • Gil Mualem-Doron (Londres, Inglaterra) – gestão autônoma com práticas artísticas e comunitárias
  • Geo Moon (Seoul, Coreia do Sul) – tecnologia, música e som
  • Nina Kraus (Berlin, Alemanha) – influência feminista nas instituições de arte e na curadoria

Residentes Uberbau_house 2022

  • Francisca Paris (Puerto Montt, Chile) – modelos de investimento para artes e cultura
  • Daniela Stevens (San Luis Potosí, México) – estrategia de carreira
  • Ricardo Caicedo Cardona (Cali, Colômbia) – representação da masculinidade na fotografia 
  • Renan Teles (São Paulo, Brasil) – afrofuturismo e construções de identidade em comunidades racializadas
  • Verónica Zapata (Santiago de Chile, Chile) – modelos de pedagogia a partir de procedimentos artísticos
  • Aaron Jiménez (Ciudad de México, México) – opera contemporânea
  • Alejandro Orozco (Ciudad de México, México) – pensamento diagramatico 
  • Ale Sotelo (Lima, Perú) – representação da comunidade lgtbqiapn+
  • Miguel Keerveld (Surinam) – modelos curatoriais para ecologia política e mudanças climáticas
  • Rosario Capanegra (Buenos Aires, Argentina) – arquitetura, urbanismo e arte contemporânea
  • Gianna Salamanca (Concepción, Chile) – ecologia política e mudança social
  • Julian Cardona (Medellín, Colombia) – epistemología queer
  • Mía Zavalia (Pilar, Argentina) – modelos de produção poética
  • Mónica Romero (Bogotá, Colômbia) – políticas do cuidado
  • Sergio Gerson Zamora (Morelos, México) – metodologias alternativas para a narração da história da arte
  • Yumi Fukuda (Japón) – processos de identidade na comunidade migrante japonesa
  • Tin Ayala (Quito, Ecuador / França) – design industrial e cultura crítica
  • Astrid Suárez (Medellín, Colômbia) – prática comunitária sobre o processo de desaparecimento na Colômbia e no México
  • Beatriz Paiva (Belem, Brasil) – Subjetividade negra no norte do Brasil
  • Mika Sampaio (Teresinha, Brasil) – 
  • Lennyn Santacruz (Quito, Equador) – arte e história da pedagogia na América Latina
  • Alexandra Trujillo (Quito, Ecuador) – processos de produção e legitimação de carreiras
  • Tatyana Zambrano (Medellín, Colombia) – processos de produção em um movimento sindical para artistas
  • Ely_dd (Buenos Aires, Argentina) – pesquisa sobre o som gutural

Residentes Uberbau_house 2021

Residentes Uberbau_house 2020

Residentes Uberbau_house 2019

  • Lía Arenas (Santiago de Chile) – a gestão cultural como um corpo móvil no espaço.
  • Wynnie Mynerva Mendoza (Lima Perú) – a comunidade lgtbaiapn+ em relação à hegemonia religiosa no Peru e no Brasil.
  • Viviana Errecalde (San Martín de los Andes) – a cena local de San Martin de los Andes, Argentina. 
  • Luis Enrique Zela-Koort (Lima, Perú) – a relação entre a maquinaria capitalista, a natureza ea construção da subjetividade.
  • Manuel La Rosa (Santiago de Chile) – a relação entre natureza e tecnología na arte contemporânea.
  • M. Román (Lima, Perú) – arte contemporânea e institucionalidade social normativa.
  • Andrés Argüelles (Lima, Perú) – o problema da pintura na arte contemporânea.
  • Heleen de Hoon (Países Baixos) – arte contemporânea em espaços públicos.
  • Martha León Nava (Ciudade de México, México) – modelos de residência de arte e comunidade.
  • Alexandra Mora -Úrsula Ramirez Giraldo (Manizales, Colômbia) – clown periodístico e performance nas Cenas colombianas.
  • Nancy Alvarado (Tucumán, Argentina) – a cerámica na tensão entre o artesanal e arte contemporânea.

Residentes Uberbau_house 2018

  • Michel Marx (Montevideo, Uruguay) – rol do artista e Cena Local de Montevideo
  • Andrea Ferrero (Lima, Perú) – processos de memória na América Latina
  • Romina Estecher (Buenos Aires, Argentina) – recorrência em processos de produção artística
  • Pablo Foladori (Buenos Aires, Argentina) – la relação entre a ópera e práticas contemporâneas
  • Felipe Nuñez (Oaxaca, México) – a possibilidade de manifesto de pintura contemporânea
  • María de los Ángeles Otarola (Mar del Plata, Argentina) – gestão cultural e gestão de arte
  • Majo Vidal (Buenos Aires, Argentina) – arte e feminismo
  • Jesús Jimenez (Morelia, México) – poesia concreta e violência
  • Tarix Sepúlveda (Santiago de Chile) – arquitectura
  • Mateo Lopez Imán (El Bolsón, Argentina) – genocídio linguístico. Símbolo, Poder e Arte Contemporânea na América Latina.
  • Genietta Varsi (Lima, Perú) – disciplina e domesticação do corpo humano.
  • Frances Munar (Lima, Perú) – arquitetura de som. Diálogos entre códigos e intersubjetividade para a América Latina.

Residentes Uberbau_house 2016 / 2017

  • Juan Fernando Lopez (Bogotá, Colômbia) – economia na gestão autônoma da arte
  • Laura Carvalho (São Paulo, Brasil) – relação de cor e arquitetura com o contexto
  • Dafne Valdivia (Guanajuato, México) – instituições formais v.s. gestão autônoma da arte
  • Dana Ferrrari (Buenos Aires, Argentina) – história do rol do artista
  • Jazmin Saidman (Buenos Aires, Argentina) – pedagogia e didática na arte
  • Guillermo Rodriguez (San Juan, Puerto Rico) – arte e tecnologia
  • Leonel Mittmann (Porto Alegre, Brasil) – pixaçao, graffiti e arte urbana
  • Abhishek Panchal (Mumbai, India) – rol do artista educador
  • Estíbaliz Barato (Madrid, España) – modelos de análise para produção de obra
  • Andrea Ospina (Manizales, Colombia) – gestão de arte, gestão de cultura e zona de exceção temporária
  • Fernanda Avendaño (Santiago de Chile) – arquitetura e corpo social
  • Natalia Murcia (Bogotá, Colômbia) – arte contemporânea como metodologia de pesquisa
  • Silvia Mariotti (Milan, Italia) – relação entre produção visual e literária
  • Naoko Mabon (Escocia, UK) – construção da identidade na cultura japonesa no Brasil

Quer participar das Residências Uberbau_house?

| Residência de pesquisa artística | Residência de Produção de Arte Contemporânea espanhol / inglés | Residências de Investigação Artística RESIDÊNCIAS DE LONGA DURAÇÃO espanhol / inglés |
converse conosco no whatsapp / telegram