CURSO. Arte Contemporânea como figura de ação

12 diciembre, 2018

 Arte Contemporânea como figura de ação 

Com Jorge Sepúlveda T. e Guillermina Bustos

Tem havido muita conversa sobre a arte contemporânea como a expressão máxima do capitalismo selvagem, como o sintoma mais evidente da economia da especulação, como o servidor de um sistema que progressivamente fagocita tudo. Aqui chegamos a conversar e discutir outros usos da prática artística contemporânea, sobre como sua capacidade de pesquisa e conhecimento de cultura possibilita liberdade e resistência. Rever formas alternativas de organização, trabalho coletivo e cooperativo e práticas em relação aos processos sociais abrirá o debate sobre como a arte contemporânea funciona como uma figura de ação orientada para a política.

O curso está estruturado em dois encontros intensivos, focados em discussão e reflexão, orientados por uma conceituação e estudo de casos de arte contemporânea na América Latina.


  • Quando?
    • opção 1 – 9 e 10 de Janeiro 2019
    • opção 2 – 29 e  30 de Janeiro 2019
  • Que horas? 10hs a 13hs / 16hs a 19hs
  • Onde? Uberbau_house (Avenida Ipiranga 200 – bloco D – apto 222 – Edificio Copan)
  • Quanto? R$350 curso completo (2 encontros)

Conteúdo programático:

  • relação entre arte contemporânea e cultura
  • cenas locais de arte contemporânea
  • formas alternativas de organização – gestões autônomeas e espaços independientes
  • arte contemporânea em relação a procesos sociais

Emitimos certificado de participação


Jorge Sepúlveda T. 

Curador independente e crítico de arte. Realizou e assessorou mais de 25 exposições coletivas e individuais de artistas visuais sul-americanos. Em 2005 cria o grupo de trabalho Curatoría Forense – Latinoamérica, iniciativa que influiu na criação de outras iniciativas nos anos seguintes, tais como VADB – arte contemporânea latinoamericanaEditorial Curatoría Forense, Red de Gestiones Autónomas de Arte Contemporáneo – LatinoaméricaTrabajadores de Arte ContemporáneoCooperativa de ArteBiblioteca Popular Julio Tapia (Chile), Uberbau_house (Brasil) y Reserva Ideológica  (Brasil).

Assessorou, participou de conferências e ditou seminários sobre artes visuais contemporânea, circuito de arte, fundos culturais públicos, imaginário artístico e imaginário social e gestões autônomas de arte contemporânea em diversas instituições e espaços na America Latina e Europa. Seus textos de análise foram publicados em diversos meios, entre os quais se destacam Documenta 12 Magazine, SalonKritik, Artenlinea, ArteyCrítica, Revista Plus e Alzaprima.

Guillermina Bustos

Artista e pesquisadora independente, mestre em Artes, com menção em Artes visuais, na Universidad de Chile. Recebeu bolsas e prêmios para investigação em artes. Realizou mais de 20 exibições em diversos países como Argentina, Chile, México e Colômbia, de caráter individual, grupal e coletivo.

Atualmente trabalha na equipe de pesquisa em arte contemporânea Curatoría Forense – Latinoamérica, na coordenação de residências de pesquisa e arte vinculado a comunidade da Cooperativa de Arte na Argentina, Brasil, Chile, México e Perú. É coordenadora do VADB – arte contemporânea latinoamericanaEditorial Curatoría Forense, da Red de Gestiones Autónomas de Arte Contemporáneo – LatinoaméricaTrabajadores de Arte Contemporáneo, Uberbau_house (Brasil) e Reserva Ideológica (Brasil).

Preencha o formulário abaixo e inscreva-se no curso